A estabilidade inflacionária é uma meta a ser perseguida continuamente

O fenômeno da alta persistente de preços acometeu o Brasil por décadas, instalando-se definitivamente durante a década de 80, quando acabou transformando a economia num laboratório de experimentos heterodoxos com congelamentos de preços, câmbio e salários, deixando a inflação mais viva com essas experiências e seus fracassos.

Até 1994 o país conviveu com inflações mensais e anuais elevadíssimas. Hoje os mais jovens não entenderiam aqueles patamares de elevação. Por exemplo, em janeiro de 1983 a inflação registrou dois dígitos (10,45%). Posteriormente, foi se mantendo nesse nível porque as políticas fiscal e monetária não produziram os efeitos esperados, em virtude da indexação. 

A indexação correspondia ao reajustes de preços e salários com base no resultado do mês anterior. Assim, naquele ano a taxa superou 135,1%. Os salários corriam atrás dos preços e os mecanismos de realimentação do processo inflacionário se espalhavam, tornando o seu combate mais difícil e inercial.   

A complexidade do fenômeno nos fez conviver com Plano Cruzado (1986), Plano Bresser (1987), Plano Verão (1989) e Plano Collor I e II (1990 e 1991). Nesses anos a inflação era contida; mas depois explodia. Respectivamente tivemos 147,14%; 228,34%; 1.430,72%; 2.947,73% e 432,79%. 

Se a mensal situava-se na casa dos dois dígitos, ressalta-se que de novembro de 1989 (47,82%) até março de 1990 (82,39%) a situação espelhava que o governo havia perdido controle, como sempre acontecia nos períodos anteriores aos choques heterodoxos.

Se todos esses planos não tiveram êxito, serviram para que a reforma monetária com o Real fosse sucesso. Para isso, contribuíram o diagnóstico que a economia brasileira estava (informalmente) dolarizada, e com base nisso foi constituída transição para a implementação do real, com um indexador balizado pelo dólar e fruto da média de três outros índices inflacionários: a URV (Unidade Real de Valor), que mais tarde seria equiparada a uma unidade de dólar.

De julho de 1994 para cá a história se modificou bastante e a estabilidade inflacionária trouxe ares até então desconhecidos em relação às décadas passadas; contudo, previsíveis e inclusivos. Previsíveis porque permitiu que as pessoas se planejassem melhor e, assim, organizassem  as suas finanças. E quando a taxa despencou, aqueles agentes econômicos que sofriam perda real de renda passaram a beneficiar-se do efeito contrário e foram para o mercado consumir.

Evidentemente que nem tudo foram flores. Porém, aqueles indicadores mensais superinflacionários jamais se repetiram. 

Mais recente, tomando o ano de 2007 para cá, verifica-se apenas em dois momentos a inflação extrapolou batendo dois dígitos em 2015 (10,67%) e em 2021 (10,06%). Mesmo assim, taxas anuais que já foram mensais outrora.

Não cabendo aqui explorar as razões para isso, deve-se destacar que a partir de junho de 1999 a política antinflacionária do Banco Central passou a vigorar de acordo com um sistema de metas. Assim, o calibre das taxas de juros (Selic) determinadas pela autoridade monetária centrava atingir a meta definida para o ano-calendário. 

Procurar o atingimento das metas anuais consistia – e ainda consiste – elemento número um da ação do Bacen. Só que com a mudança de sistema, o esforço do Bacen pode exigir menos da sociedade e dos setores produtivos.

No corrente ano, a gestão da política pública tratou de mirar na alta dos juros sendo o freio do crescimento. Conclusão; após 24 anos de experiência no sistema de metas anuais, o Banco Central irá passar a atuar olhando mais para a frente, estabelecendo novas perspectivas, ao invés de somente buscar atingir a exclusivamente a taxa de inflação definida para o ano-calendário. 

Em 2022 mirava-se em 3,50%; neste ano a meta está em 3,25% e para os próximos dois em 3,0%, sempre considerando o intervalo de tolerância um ponto e meio percentual para cima ou para baixo.

Com a mudança para a meta contínua em 3,0% e o horizonte de 24 meses, por exemplo, o Bacen vai poder ser mais flexível na fixação da Selic e o mercado poderá operar com maior previsibilidade em relação ao comportamento dos juros. 

Nesse contexto, pode-se pressupor que o sistema evoluiu, mudou de padrão, aproximando-se de países já adotam, como EUA, Turquia, Canadá, México, entre outros. Alguns possuem intervalo de tolerância, outros não. 

Mesmo com o novo sistema, para o Banco Central prevalece o controle da inflação e a preservação do poder da moeda os objetivos principais. 

Para empresários, a garantia de que o combate a elevação dos preços poderá ser atenuado, na medida em que as expectativas são de queda dos juros e de manutenção da inflação em níveis bastante aceitáveis e críveis, conjuntura esperada para o desengavetamento de projetos e investimentos. 

O Boletim Focus disparado em 07 de julho de 2023 converge nesse sentido. Primeiramente porque o mercado acredita que a inflação deverá revelar trajetória descendente. Para os analistas, a inflação anual esperada entre os exercícios de 2023-2026 poderá ficar perto de: 4,95%; 3,92%; 3,60% e 3,50%. 

Se a esperança é de que isso venha acontecer, o movimento abre margens para o declínio da Selic: 12,00%; 9,50%; 9,00% e 8,75%. Leia-se, portanto, que o mercado estima juros básicos na casa de um dígito a partir do ano quem, resultado das sucessivas quedas esperadas para os meses vindouros desse segundo semestre.

O corolário das projeções é o de que a economia possa perpassar por novas condições que impactarão seu crescimento num ambiente de juros menores acompanhados de desinflação.

Segundo o Focus, o produto doméstico pode alcançar 2,19% neste ano, caindo para 1,28% em 2024. A partir daí, por força dos juros, tenderá a subir gradualmente nos dois anos posteriores: 1,80% e 1,88%. 

Vislumbrando o futuro, as expectativas são benéficas e podem auxiliar na construção do cenário de estabilidade que se pretende alcançar. Nessas condições, inflação domada e num nível reduzido, juros inferiores, destrava-se o freio que impede a geração de investimentos que fermentarão a economia e elevarão emprego e renda. 

Ao nosso ver, sem sombra de dúvidas, a estabilidade inflacionária consiste na meta a ser perseguida permanentemente. Esse é um avanço para que o desenvolvimento possa ser promovido, reduzindo as desigualdades socioeconômicas.

Autor: Antonio Everton Chaves Júnior. Economista CDL RIO e Sindilojas RJ.

*A ASBRAF não se responsabiliza por textos opinativos assinados. As opiniões expressas nos artigos assinados são de responsabilidade de seus autores.

 

Compartilhe este artigo nas redes sociais

WhatsApp
Facebook
Telegram
Twitter

Últimos posts:

2 horas ago

Medida pode alavancar mais de R$ 35 bilhões em crédito para que os devedores possam refinanciar suas dívidas, segundo o ministro O…

4 dias ago

Estratégia Elas Empreendem pretende incentivar a inclusão social e fortalecer o papel das mulheres no desenvolvimento econômico Agência Gov | Via Planalto…

5 dias ago

BRASÍLIA| Rafaela Soares, do R7, em Brasília11/04/2024 – 07H56 (ATUALIZADO EM 11/04/2024 – 07H56) Decreto foi publicado nesta quinta-feira(FERNANDO FRAZÃO/AGÊNCIA BRASIL) O presidente Luiz Inácio…

Posts relacionados:

5 dias ago

BRASÍLIA| Rafaela Soares, do R7, em Brasília11/04/2024 – 07H56 (ATUALIZADO EM 11/04/2024 – 07H56) Decreto foi publicado nesta quinta-feira(FERNANDO FRAZÃO/AGÊNCIA BRASIL) O presidente Luiz Inácio…

2 semanas ago

Pesquisa realizada pela Diretoria de Estudos e Pesquisas da Asbraf revela números, indicadores e tendências das 50 primeiras categorias profissionais enquadradas na…

4 semanas ago

De faturamento em queda a fechamento de lojas, empresas têm demonstrado dificuldade em se firmar no mercado nacional Dia, Lojas Marisa e…