CNC projeta queda de 0,8% na receita do setor de serviços em 2018

Mesmo apostando na preservação do cenário atual da economia, os resultados recentes do setor de serviços e as dificuldades de reativar investimentos levaram a Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) a manter uma projeção de queda de 0,8% no volume de receitas do setor ao fim deste ano. Se confirmado, esse resultado levaria o setor de serviços a registrar a quarta queda anual consecutiva no volume de receitas.

 

O reajuste da projeção da CNC se deu após a divulgação dos dados de março da Pesquisa Mensal de Serviços (PMS), do IBGE, segundo a qual nos três primeiros meses deste ano o setor acumulou retração de 1,5% ante o mesmo período de 2017. Para a entidade, apesar das condições econômicas atuais mais favoráveis do que as dos últimos anos, principalmente quanto ao comportamento dos preços e ao nível da taxa básica de juros, as incertezas no cenário eleitoral parecem contaminar o nível de confiança no setor produtivo, inibindo a retomada consistente dos investimentos e, sobretudo, a reativação do mercado de trabalho, no qual os serviços respondem por cerca de 44% da ocupação formal do setor privado.

 

Em março, o setor de serviços recuou 0,2% em relação a fevereiro, após registrar estabilidade em fevereiro (0,0%) e queda em janeiro (-1,9%). Em relação a março do ano passado, o volume de serviços diminuiu -0,8%, contra -2,3% em fevereiro e -1,5% em janeiro. A variação negativa foi acompanhada por três das cinco atividades investigadas, com destaque para serviços profissionais, administrativos e complementares (-1,8%).

 

Fabio Bentes, chefe da Divisão Econômica da CNC, destaca que, embora a queda observada em março seja menor do que aquela registrada nos três primeiros meses do ano passado (-4,7%), o processo de recuperação do setor após crise tem se caracterizado pela lentidão. “Ao contrário de outras atividades nas quais é possível identificar tendências de crescimento, como a indústria e o comércio, os serviços ainda sofrem com o baixo nível de investimentos da economia e até mesmo com a percepção por parte das famílias de que ainda não é possível recuperar o ritmo do consumo de serviços não essenciais, uma vez que a PMS apura a receita dos serviços não financeiros, excluindo atividades de educação e saúde”, afirma Bentes.

Acesse abaixo o estudo na íntegra.

http://cnc.org.br/sites/default/files/arquivos/nota_pms_2018_03.pdf

Fonte: http://cnc.org.br/noticias/economia/cnc-projeta-queda-de-08-na-receita-do-setor-de-servicos-em-2018

Compartilhe este artigo nas redes sociais

WhatsApp
Facebook
Telegram
Twitter

Últimos posts:

4 dias ago

A tecnologia, dotada de IA, apoiou os debates em Brasília e agora ajuda as empresas a calcularem quais serão suas cargas tributárias…

5 dias ago

Por: CNN Brasil Setor beneficiado será o de tecnologia, relacionado à transição energética A Petrobras e o Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico…

6 dias ago

Programas Cidade Empreendedora e Plural deverão ancorar ações pela igualdade e pelo enfrentamento da misoginia Por: Redação Em reunião nesta terça (20),…

Posts relacionados:

2 meses ago

  No cenário dinâmico dos negócios, compreender as tendências de mercado que influenciam o comportamento do consumidor em 2024 é mais do…

3 meses ago

O Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI) deu início, nesta segunda-feira (11), à revisão da Estratégia Brasileira de Inteligência Artificial (EBIA),…

3 meses ago

O desenvolvimento de competências gerenciais nos pequenos negócios que operam na modalidade franquia empresarial, ou seja, na condição de franqueados, deve necessariamente…