Intenção de consumo cresce em outubro com alívio da inflação sobre a renda

Índice avançou 2,1% em relação ao mês anterior. O aumento reflete a combinação da deflação com a ampliação do emprego formal, das transferências de renda e do acesso ao crédito.

A Intenção de Consumo das Famílias (ICF) avançou 2,1% no mês de outubro, o nono crescimento consecutivo na série com ajuste sazonal. Com isso, a ICF, apurada mensalmente pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), alcançou 87 pontos. Apesar de ainda permanecer abaixo dos 100 pontos, na zona de insatisfação, o índice está em trajetória ascendente e cresceu 18,9% em relação a outubro de 2021, a maior taxa da história do indicador.

Nesse sentido, se destacou a percepção sobre o nível de consumo atual que atingiu aumento de 4,1%, maior alta entre todos os indicadores da ICF.  “O resultado positivo de outubro da Intenção de Consumo das Famílias é produto da combinação da deflação com crescimento do emprego formal, das transferências de renda e da facilitação da contratação de crédito”, pontua o presidente da CNC, José Roberto Tadros.

Mais sensíveis às variações da inflação, as famílias com renda de até 10 salários mínimos apontaram o maior aumento da intenção de consumir, tanto no mês quanto no ano. Ainda assim, o indicador para esse grupo permanece no quadrante negativo, com 83,5 pontos e 12,6 pontos abaixo do nível anterior à pandemia. A intenção de consumo avançou menos para as famílias que ganham mais de 10 salários mínimos, mas o índice em 104 pontos revela maior satisfação desse grupo do que entre os consumidores de menor renda.

Deflação em alimentos e transportes

No total de consumidores entrevistados pela CNC, 31,8% avaliaram a renda atual como melhor do que no ano passado, maior percentual desde abril de 2020, quando o índice chegou a 35,8%. Entre as famílias de rendas média e baixa, a satisfação com a renda atual avançou 2,4%, acima das famílias consideradas mais ricas, que foi de 1,2%.

A economista da CNC responsável pela ICF, Izis Ferreira, explica que a melhora da avaliação da renda é resultado do recuo recente na inflação, que pesa mais sobre as famílias com vencimentos menores. A inflação desagregada por faixa de renda, segundo recortes do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), mostrou em setembro o terceiro mês seguido de redução (-0,29%) para os consumidores nos grupos de rendas média e baixa, com maiores quedas em alimentos e bebidas (-0,11%) e transportes (-0,41%).

“Apesar dessas reduções, a maior contribuição para a alta do IPCA no ano foi do grupo de alimentos e bebidas, um dos itens mais representativos nos orçamentos das famílias de renda baixa”, analisa Izis Ferreira. Conforme ela, esses consumidores ainda se mantêm cautelosos, com idas mais frequentes aos supermercados e ampliação da busca por ofertas.

Consumidor de alta renda tem perspectiva de consumir mais no curto prazo

A perspectiva de consumir nos próximos meses avançou 2,5% em outubro, mas subiu 3,5% entre as famílias consideradas mais ricas, enquanto para o conjunto de menor renda o aumento foi de 2,2%. Embora o indicador tenha crescido para os dois grupos, ambos ainda estão na zona de insatisfação. “A inflação, mesmo em queda, ainda dificulta o consumo, e o maior nível de endividamento das famílias também reduz a capacidade futura de compras, especialmente das famílias de rendas média e baixa”, aponta a economista Izis Ferreira.

Por fim, os consumidores avaliaram que o acesso ao crédito está mais fácil – o indicador avançou 1,9% no mês, nas duas faixas de renda. No entanto, em um ano, o índice cresceu em intensidade maior entre o grupo com rendas média e baixa, alta de 10,6%. Isso, segundo a economista, decorre porque, mesmo com o crédito mais caro em razão da alta dos juros, essas famílias têm contratado mais empréstimos como forma de sustentar o consumo, tanto que o endividamento tem crescido mais nesse grupo.

Acesse a análise completa da Divisão de Economia e Inovação (Dein) da CNC:

https://portal-bucket.azureedge.net/wp-content/2022/10/9601e0386e943c3764041070cf2e60a3.pdf 

Fonte: https://www.portaldocomercio.org.br/noticias/intencao-de-consumo-dos-mais-pobres-cresce-em-outubro-com-alivio-da-inflacao-sobre-a-renda/444961 

Compartilhe este artigo nas redes sociais

WhatsApp
Facebook
Telegram
Twitter

Últimos posts:

1 dia ago

Medida pode alavancar mais de R$ 35 bilhões em crédito para que os devedores possam refinanciar suas dívidas, segundo o ministro O…

5 dias ago

Estratégia Elas Empreendem pretende incentivar a inclusão social e fortalecer o papel das mulheres no desenvolvimento econômico Agência Gov | Via Planalto…

6 dias ago

BRASÍLIA| Rafaela Soares, do R7, em Brasília11/04/2024 – 07H56 (ATUALIZADO EM 11/04/2024 – 07H56) Decreto foi publicado nesta quinta-feira(FERNANDO FRAZÃO/AGÊNCIA BRASIL) O presidente Luiz Inácio…

Posts relacionados:

1 dia ago

Medida pode alavancar mais de R$ 35 bilhões em crédito para que os devedores possam refinanciar suas dívidas, segundo o ministro O…

5 dias ago

Estratégia Elas Empreendem pretende incentivar a inclusão social e fortalecer o papel das mulheres no desenvolvimento econômico Agência Gov | Via Planalto…

6 dias ago

BRASÍLIA| Rafaela Soares, do R7, em Brasília11/04/2024 – 07H56 (ATUALIZADO EM 11/04/2024 – 07H56) Decreto foi publicado nesta quinta-feira(FERNANDO FRAZÃO/AGÊNCIA BRASIL) O presidente Luiz Inácio…