Como a falência do SVB pode impactar o Brasil

Fábio Corrêa

15/03/202315 de março de 2023

Na avaliação de especialistas, crise bancária americana pode levar o Banco Central a frear política monetária no Brasil e também contribuir para solucionar embate entre a entidade e o presidente Lula.

falência do Silicon Valley Bank (SVB) nos Estados Unidos gerou temores no mercado financeiro global. A preocupação é que a crise bancária americana se agrave e afete outros países, inclusive o Brasil.

Após o colapso do banco americano, o ministro da Fazenda, Fernando Haddad, classificou a falência do SVB como “menos turbulenta do que imaginávamos” e afirmou que estar conversado sobre o assunto com o presidente do Banco Central (BC), Roberto Campos Neto. Na próxima semana, o Comitê de Política Monetária se reúne também para definir os rumos da política monetária.

Para especialistas ouvidos pela DW Brasil, a crise bancária americana pode impactar a taxa básica de juros no Brasil e, ainda, resolver o embate entre o presidente Luiz Inácio Lula da Silva e Banco Central. A Selic em 13,75% foi alvo de críticas de Lula, que disse “não haver explicação ” para o patamar definido pelo BC.

Na avaliação de Rafael Schiozer, especialista em Finanças da FGV-SP, os efeitos da crise bancária dos EUA no Brasil estão diretamente ligados aos próximos passos do Fed, o banco central americano. Para ele, se não houver elevação dos juros nos Estados Unidos, os títulos brasileiros ficam mais atrativos para investidores que estejam buscando taxas mais altas.

“Isso pode ser boa notícia para o Brasil e permitir que o BC diminua os juros sem se preocupar com uma fuga de capital “, explica Schiozer.

No entanto, acrescenta o economista, se a situação se agravar, num pânico generalizado que afete outras instituições financeiras, isso pode causar fuga de investimentos no país. “Pode haver uma tendência dos investidores de tirarem dinheiro do mercado emergente para colocar em mercados mais seguros, no que é chamado ‘flight to safety’. O Brasil pode acabar sofrendo com isso, mas não acho que esse seja o cenário mais provável “, avalia.

Qual é a expectativa no mercado financeiro?

No mercado financeiro, investidores já começam a observar uma demanda pela queda nos juros, mesmo que o sentimento momentâneo seja de cautela. “A curva de juros está mostrando isso”, afirma o CEO da corretora Box Asset Management, Fabrício Gonçalves. “O mercado está pedindo menos juros. Talvez não para essa reunião agora, mas para a reunião de maio do Copom”, avalia.

Gonçalves afirma que a maior parte dos ativos de bancos brasileiros tem demonstrado uma tendência de baixa nas últimas semanas, o que, segundo ele, não está ligado à crise do SVB, mas sim a uma crise de crédito causada, principalmente, pelo pedido de recuperação judicial das Americanas. “Isso força os bancos a darem menos crédito para a população, o que consequentemente tem uma série de problemas”, explica, dizendo que a cautela, pelo menos momentânea, tem levado a uma retirada de investimentos do mercado financeiro brasileiro.

Para a economista Simone Deos, da Unicamp, episódios como o do SVB tendem a trazer insegurança para a economia como um todo. “O sistema financeiro é um credor para toda a economia. O que tende a acontecer é ele ficar mais tímido, porque é um momento de tensão “, pontua Deos, que vê um desaquecimento causado na oferta de crédito em todo o mundo, como na emissão de bonds, de ações ou de grandes e médios empréstimos.

“Se o Banco Central continuar elevando a taxa de juros, ele cria um movimento, uma tentativa de retração numa economia que está num momento de tensão. Tem a inflação, e essas instituições estavam respondendo a isso. Mas agora, além de responder à estabilidade monetária, esses atores precisam zelar pela estabilidade financeira”, ressalta a economista, que acredita que pode haver um movimento de freio nas taxas de juros não só dos EUA e do Brasil, mas também na Europa.

‘Saída’ para fim da disputa entre BC e governo Lula?

Na reunião que manteve a taxa de juros em 13,75%, em 1º de fevereiro, o Copom teceu críticas ao justificar a medida. No comunicado após o encontro, o comitê observou “incertezas” em relação a um perigo fiscal sobre a indefinição de um novo arcabouço fiscal, além da aceleração da inflação mundial.

O texto foi visto como mais um elemento na tensão entre o governo Lula e o comando do Banco Central na queda de braço pela redução das taxas de juros e pela mudança na meta da inflação.

Contudo, a crise causada pela falência do SVB insere uma nova variável nessa disputa. “A situação torna a vida do Banco Central bem mais difícil, porque tem mais um fator de incerteza “, diz Schiozer. “Já era difícil, porque, se o Copom baixasse os juros, podia haver uma interpretação de que cedeu à pressão política. Se não baixasse, estaria sujeito a uma guerra com o Lula e com a ala mais populista do governo até a próxima reunião”, analisa.

O especialista acredita também que os juros não devem cair na próxima reunião, mas deve haver um comunicado mais amigável, parte do comitê, de que a Selic será reduzida no encontro de maio. “Talvez seja uma maneira de apaziguar os ânimos da ala populista do governo”, acrescenta.

Para Deos, é uma ‘saída honrosa’ para o Banco Central no meio da queda de braço, se a autoridade financeira realmente se decidir por uma queda na Selic. “Temos outro contexto. O Banco Central pode afirmar que não se dobrou a essa disputa, que foi o contexto internacional que mudou o cenário mundial “, diz ela. “Se as condições e dados mais recentes da economia brasileira continuarem a apontar deterioração e se internacionalmente isso também ocorrer, é possível que haja uma queda já na próxima reunião “, conclui ela.

Fonte: dw

 

Posicionamento da Asbraf:

O Silicon Valley Bank (SVB), banco norte-americano voltado para investimentos em startups no setor tecnológico, decretou falência na semana passada após surpreender o mercado com a divulgação de um prejuízo na casa dos US$ 2 bilhões. As ações da instituição chegaram a derreter 60%, e o setor bancário nos Estados Unidos e no mundo foi contaminado. Contudo, startups brasileiras também podem sofrer com exposição ao banco.

De acordo com o Bloomberg Línea, startups brasileiras possuíam mais de US$ 10 milhões no banco. De acordo com o veículo, as empresas utilizavam O SVB para obter capital de risco (venture capital). A Bloomberg também afirma que mais de 90% das startups brasileiras offshore, que possuem contas bancárias abertas em países onde há menor tributação, tinham conta no Silicon Valley Bank

Segundo o Presidente da Associação Brasileira de Franqueados – Asbraf, Raul Canal, “a quebra do Silicon Valley Bank (SVB), deve afetar o ecossistema de startups no Brasil que empreendem no modelo de negócios franquia empresarial, aumentando a aversão a risco dos investidores.” Continua o presidente da Asbraf “Os últimos dias foram marcados pela repercussão do colapso do SVB Financial Group nos mercados globais. O temor de contágio no sistema financeiro gerou uma onda de aversão a riscos,  penalizando os principais índices ao redor do mundo, incluindo o Ibovespa. Ainda não é possível medir o tamanho do impacto da crise dos bancos estrangeiros nas instituições financeiras brasileiras.”

 

Compartilhe este artigo nas redes sociais

WhatsApp
Facebook
Telegram
Twitter

Últimos posts:

22 horas ago

Planejamento para os próximos 4 anos tem o objetivo de tornar o ambiente de negócios mais competitivo O Ministério do Empreendedorismo aprovou…

23 horas ago

Empresas têm recebido orientações dos Agentes Locais de Inovação (ALI) voltadas para a melhoria da produtividade e transformação digital Durante a jornada…

2 dias ago

Especialistas ressaltam que a decisão confirma a validade do contrato de franquia e reforça jurisprudência sobre inexistência de vínculo de emprego na…

Posts relacionados:

22 horas ago

Planejamento para os próximos 4 anos tem o objetivo de tornar o ambiente de negócios mais competitivo O Ministério do Empreendedorismo aprovou…

23 horas ago

Empresas têm recebido orientações dos Agentes Locais de Inovação (ALI) voltadas para a melhoria da produtividade e transformação digital Durante a jornada…

2 dias ago

Especialistas ressaltam que a decisão confirma a validade do contrato de franquia e reforça jurisprudência sobre inexistência de vínculo de emprego na…