fbpx

Franqueadores devem ter bem claro quais são as características de suas unidades, quais os melhores formatos para serem aplicados nas diversas opções que existem, sejam em shopping, rua ou qualquer outra estrutura. Definir áreas mínimas, requisitos, para lojas, salas, quiosques, corners, enfim o que mais se adequa ao conceito, aos produtos ou serviços, bem como pensar na eficácia e funcionalidade do espaço utilizado. Existem vários formatos que podem ser adotados, mas há algumas tendências que tem determinado o uso de combinações destes formatos, criando novos modelos.

Um destes, o modelo Store in Store tem sido adotado por várias marcas como estratégia de crescimento, tendo em vista a redução dos custos operacionais. Neste modelo lojas são instaladas dentro de outras lojas e dividem os custos como consumo de água, energia, entre outros custos da operação compartilhada. Alguns exemplos são o da Mobibox, micro franquia de venda de acessórios para smartphones, que tem se instalado em várias lojas pelo país e possui hoje mais de 1600 pontos de venda, a Mais Depil e Mais Olhar, franquia que dá opção ao franqueado agregar aos serviços de sobrancelhas, olhos, os de depilação, o que chamam de + Olhar Conjugada, a do Grupo Trigo Franquias que une combinações das marcas Spoleto + Domino’s, Spoleto + Koni, Domino’s + Koni e das três juntas e da Casa do Pão de Queijo que tem combinado a operação com a outra marca da rede O Melhor Bolo de Chocolate do Mundo.

Uma iniciativa baseada no modelo Store in Store que me chama a atenção é a da Love Brands, três marcas de franquia, a Balonè, Imaginarium e a Puket, ocupando um mesmo espaço. Tendo em comum o mesmo público, dentro da loja os produtos das 3 marcas são dispostos conforme o conceito de exposição de cada marca. Observem que estas marcas já consolidadas estão abrigadas numa nova, a Love Brands, eis o diferencial. A união de marcas de franqueadores diferentes num novo espaço me parece algo inédito, por um lado se fortalecem agregando as boas práticas, criando um novo padrão baseado numa vasta experiência, por outro lado há o desafio da integração das três operações.

Fazendo uma análise do ponto de vista do franqueado, antes de mais nada o grupo de franqueadores deve ser transparente com os franqueados existentes, compartilhar a iniciativa e permitir, dar opção, deixar em aberto, num prazo pré- definido para aqueles que tiverem interesse no investimento. A princípio, como já informado e divulgado pelos franqueadores da Love Brands, manter a estratégia de ocupar os municípios menores, adotar como premissa a expansão de forma ordenada, mas aproveitando todas as oportunidades que surgirem. Salvo estas condições com regras claras, imprimir um ritmo possível e responsável, o importante é manter a boa relação com os franqueados existentes sem perder as chances para alavancar os negócios.

Considerando iniciativas que fortaleçam o sistema de franquia com a adoção de novos modelos de negócio, baseada na boa relação com o parceiro franqueado, não haverá conflitos de interesse e o crescimento se dará de forma sustentável. Pesquisando os dados que estão nas nuvens, publicada pela ABF, percebo que houve uma agregação de valor e ampliação da capilaridade destas marcas, alcançando locais antes difíceis de serem pensados individualmente pelos franqueadores, exceto a Imaginarium que tem também seus produtos em lojas multimarcas, a Balonè e a Puket ampliaram sua penetração, principalmente na região sudeste, mas ainda há muito espaço para crescer. Observando que as 3 marcas são premiadas há vários anos, há de se esperar uma continuidade de sua expansão. Hoje a Love Brands possui 46 lojas com estratégia de expansão focada nos municípios entre 40 mil e 200 mil habitantes, como temos mais de 600 municípios nesta faixa deveremos ver nos próximos anos um bom crescimento.

Tudo indica que a estratégia adotada não gera conflito com a rede de franqueados existentes, o que pode significar um bom exemplo a ser seguido, mas é um caminho que acredito poucos franqueadores irão trilhar, pelo desafio da gestão e ter marcas parceiras com a mesma afinidade e público alvo. Será que aqui estamos vendo um caso em que comprova a teoria de W. Chan Kim e Renée Mauborgne autores do livro A Estratégia do Oceano Azul? Só o tempo dirá, mas podemos comprovar a ousadia de que é possível estabelecer a união de marcas num trabalho coeso e concentrado para atingir uma maior gama de clientes, respeitando a relação com os franqueados sem que se caracterize uma concorrência desleal e abuso de poder econômico. Claro que são algumas impressões baseadas em pesquisa através de consultas disponíveis no mundo digital, porém onde pesquisei não encontrei nada que diga o contrário. Quem sabe daqui há alguns anos possamos estar falando sobre este tema novamente e comprovaremos, então, até lá no futuro!!

Sobre o autor: Empreendedor, Consultor e Palestrante, atual Diretor de Relações Institucionais – ASBRAF (https://asbraf.com/), formado em Administração, foi franqueado durante 36 anos, 1o. Presidente da Junior Achievement – Paraíba de 2004 a 2006.2, Diretor da Associação dos Lojistas do Shopping Sul de 2005 a 2007, premiado diversas vezes entre eles como melhor franqueado do Nordeste e melhor gestão pelo PPQ – Programa Paraibano da Qualidade.

Site: https://douglasnunnes.wixsite.com/consultorpalestrante

%d blogueiros gostam disto: